Tom DeLonge publica carta aos fãs

Publicado: Dimitrios Meimaridis

Publicado em 27/01/2015

O guitarrista Tom DeLonge usou sua página no Facebook para publicar uma carta aos fãs, oferecendo o seu lado da história sobre a sua suposta saída do Blink-182, anunciada ontem pelo grupo por meio de um release publicado em vários veículos.

Carta aos fãs

Onde começar?

Bom, a verdade é sempre um bom lugar. Vamos lá.

Eu amo o Blink e sou muito grato pelo fato de que essa banda faz parte da minha vida. Isso me rendeu TUDO. Eu comecei essa banda, foi na minha garagem, aonde eu viajava nessa ideia.

Então, o que é que eu tenho feito nos bastidores? Bem, eu andei tentando fazer com que as coisas funcionassem. Eu tentei fazer com que essa banda caminhasse por 50 caminhos diferentes usando o meu pessoal, ou outros indivíduos, e até pessoas que nós não conhecemos. Eu tentei dar algumas ideias de como podemos crescer e criar um desafio para que a gente vire uma banda melhor. Eu não estou sentado esperando que alguém faça o trabalho. Eu não sou esse tipo de pessoa.

O grande recomeço foi quando eu tentei fazer uma reunião com a banda em Utah. A ideia era conversar e resolver as coisas. Isso acabou virando rapidamente uma conversa no camarim de alguém em um cassino ruim. O que eu esperava que seria uma reunião positiva e longe de tudo que atrapalha virou um encontro estranho em um camarim fedido de um centro de convenções. Mas foi lá que eu falei para o Mark e o Travis que, enquanto a gente conversasse, e as coisas estivessem boas entre nós, como verdadeiros amigos, eu estaria junto com eles e trabalharia com paixão. Eu seria um reflexo do nosso relacionamento pessoal. Foram exatamente essas palavras.

Então, o EP foi o teste. Alguns meses depois a gente estava gravando essas músicas. Eu estava no estúdio por dois meses e eles chegaram para trabalhar por cerca de 11 dias. Eu não me importava em liderar o processo, mas a gente havia combinado de nos dedicarmos 100%. E dessa vez, sem nenhuma mágoa passada.

Apesar disso, nós conseguimos nos autossabotar.

Em um determinado momento, picuinhas e politicagem fizeram com que eu retirasse o EP quando haviam 60 mil fãs tentando comprá-lo. E isso fez eu perder a cabeça. Estava tentando tão duro, mas aquele momento quebrou o meu espírito. Então eu percebi que essa banda não conseguiria perder os anos de hostilidade.

Foi depois desse episódio que eu prometi a mim mesmo que nunca ficaria naquela posição novamente - depender das  palavras que nós falamos um ao outro.

Eu lembro que perguntei para um deles no telefone, "você tentou o melhor? Conforme havíamos combinado"? Ele ficou em silêncio,.

A culpa é deles?

A culpa é minha? Claro, eu sou louco.

Mas nós somos três - somos todos responsáveis. No final do dia, sempre fomos disfuncionais, por isso não conversamos há alguns meses. Mas a gente nunca foi diferente. Nos  8 anos que estamos juntos, as coisas sempre funcionaram assim.

Durante os últimos dois anos e meio, enquanto procurávamos uma gravadora para lançar o novo CD do Blink, eu lancei uma produtora. Acabei de lançar um novo álbum com o Angels and Airwaves e, como alguns de vocês já devem saber, tem muito mais para sair - HQ's, livros, um filme, etc; Os livros serão lançados com as músicas. Esse é um processo que já está em andamento. Então vocês devem imaginar a minha frustração quando recebi um contrato de 60 páginas do Blink falando que eu não podia lançar um álbum do Angels and Airwaves durante 9 meses e que o disco do Blink teria que ser gravado em 6 meses, algo que seria impossível para eu fazer. Para me comprometer com isso, eu teria que quebrar vários contratos. Escritores, artistas gráficos, animadores... muitas pessoas.

Eles até retiraram a cláusula do lançamento do AVA, mas a parte de gravar o disco do Blink em 6 meses continuou. Todos esses outros projetos que estão sendo trabalhados são registrados em contratos. Eu não posso simplesmente pisar no freio e jogar no lixo anos de desenvolvimento, parcerias e compromissos em um segundo.

Eu falei para o meu empresário que faria as coisas do Blink-182 enquanto fosse divertido e funcionasse com os outros compromissos da minha vida, incluindo a minha família.

Mas o Mark e o Travis sabem disso.

Eu escrevi a mesma carta para eles um ano atrás. Mas isso criou uma discussão gigante, a maior de todas até então. Eu só queria que a gente fizesse as coisas que concordamos. Mas esse foi o momento para eles começarem a criticar. Do ponto de vista deles, eu estava controlando tudo. Na verdade, eu só estava com medo de me colocar em uma situação ruim. Algo como repetir a experiência do EP.

Eu também escrevi para os empresários deles em Dezembro (que disseram que os meus companheiros de banda não estavam bravos comigo e haviam concordado com algumas ideias de como fazer a banda crescer).

Então você pode imaginar a minha surpresa quando a declaração sobre o futuro da banda foi feito ontem, sem qualquer conhecimento prévio. Isso é algo novo para mim. Não é da minha natureza alimentar a negatividade sobre o futuro da banda em algo tão medíocre como o mundo da Internet.

Mas eu acho que esse é outro exemplo de como eu me diferencio da maioria das pessoas. Eu sigo a luz... eu sigo uma paixão e faço arte. Eu passo tempo com meu filho, minha filha e a minha esposa.

No final do dia, tudo isso me deixa muito triste.

É triste para nós.

Triste para vocês que estão vendo toda essa imaturidade.
Eu os conheço muito bem, e essas ações recentes são defensivas e controversas.

Suponho que estão fazendo isso para não ficarem machucados.

Assim como qualquer um de nós.

E mesmo enquanto eu vejo eles agirem de forma tão diferente do que costumam ser, eu ainda me importo muito com eles. Como irmãos e velhos amigos. Mas o nosso relacionamento foi manchado ontem.

Nunca planejei sair, mas só acho muito difícil me comprometer.

-

Tom

Feedmusic:

Comentários Facebook

Comentários

Você precisa estar logado para comentar.

Nenhuma mensagem até o momento